saudade

Das sensações irrefreáveis, saudade é das contínuas. É de ficar aqui, permanente, num estado contemplativo de expectativa pelo que teima em não preencher esse vazio impenetrável. Saudade é de crueza abominável, porém tão singela e quieta, que me impede de escrever versos amargos.

É do tempo de uma viagem de dias, de horas, de minutos, ou de uma vida toda de chegadas. Saudade é o passaporte. Saudade é a carência de liberdade e a prisão perpétua mais confortável das memórias.

Saudade é uma cegueira sensorial, que não permite viver os toques e cheiros e cores e vozes –é tristemente se alegrar com o feitiço que emana de músicas, lugares e objetos.

Das eventualidades, saudade é a eterna premissa cabal com a certeza invariável do acerto. É a reconciliação plena de sentimentos antes afogados por uma mágoa desimportante qualquer. Saudade é uma miríade de finais felizes e vidas eternas além do arco-íris com gosto de pipoca salgada de lágrimas.

Saudade prescinde de futuro, mas não existe sem passado. Saudade é o amor sem planos, é meia-noite sem amanhã, é o bocejo sem o sono. É a vontade sem o sonho.

Saudade é só. É sede de quem sente mais.

Anúncios

0 Responses to “saudade”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s




Anúncios

%d blogueiros gostam disto: